Paris Hilton congelou seus ovos por conselho da amiga e ex-assistente Kim Kardashian

Paris Hilton e Kim Kardashian - ícones de reality shows, mulheres de negócios talentosas e amigas íntimas por muitos anos

Paris, que tem estado muito na mídia ultimamente ao promover um novo documentário no YouTube sobre sua vida, Isto é paris, revelou que Kim sugeriu que ela congelasse seus ovos

Paris, 39, disse recentemente que se “inspirou” em Kim, que tem quatro filhos com o marido, Kanye West. Seguindo o conselho de Kim, ela decidiu congelar seus óvulos apenas para remover a pressão sobre seus planos futuros de ter um bebê. Ela passou pelo procedimento há alguns anos e não poderia estar mais feliz com sua decisão.

O DJ e magnata do perfume disse ao The Times no domingo, “Tive uma conversa realmente incrível com Kim [Kardashian] sobre isso. Ela me apresentou ao seu médico, e fiquei muito inspirado por ela para realmente fazer isso. ”

Kim Kardashian conhece bem o tratamento de fertilidade

Após complicações durante a gravidez com a filha North e o filho Saint, ela congelou seus óvulos. Como foi coberto extensivamente em Mantendo-se com os Kardashians; ela usou os serviços de uma mãe substituta para seus terceiro e quarto filhos, a filha Chicago e o filho Salmo.

Paris explica que agora ela se sente muito mais no controle de sua fertilidade

“Eu acho que toda mulher deveria fazer isso porque você pode realmente controlar e não ter aquele 'Meu Deus, eu preciso me casar.'”

Paris viaja regularmente para Ibiza, onde comanda grandes públicos e paga para ser DJ nas boates mais badaladas de lá. Ela planeja desacelerar sua viagem para começar uma família.

Ela e o namorado, o empresário Carter Reum, estão juntos há um ano. Embora ainda não estejam noivos, ela diz que falaram sobre "casamentos íntimos" no futuro.

Em seu novo documentário, Paris também compartilha sua turbulência sobre o abuso físico e mental que sofreu quando frequentou a Provo Canyon School, uma escola para adolescentes problemáticos. Ela diz que ela e outros alunos foram agredidos e estrangulados durante seu tempo lá nos anos 90. Isso a assombra até hoje.

“Era para ser uma escola, mas as aulas não eram o foco. Do momento em que acordei até ir para a cama, passei o dia todo gritando na minha cara, gritando comigo, uma tortura contínua. ”

“O pessoal dizia coisas terríveis. Eles estavam constantemente me fazendo sentir mal comigo mesmo e me intimidando. Acho que era o objetivo deles nos derrubar. Enterrei minha verdade por tanto tempo. Mas estou orgulhoso da mulher forte que me tornei. As pessoas podem presumir que tudo na minha vida foi fácil para mim, mas quero mostrar ao mundo quem eu realmente sou. ”

Agora, ela quer dar voz às crianças que sofreram abusos em internatos e promete “fechar esses lugares”.

Ainda não há comentários

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Traduzir »